#RainhadeCopas #imperatriz #FelizDiaDasMães

O que é ser mãe? Às vezes eu me pergunto se eu sou preparado para ser isso aí… Bom me perguntariam se o correto não seria eu perguntar o que é ser pai… Mas não a pergunta é o que é ser mãe? O pai na prática tem um papel biológico de fazer acontecer, mas ser mãe não. O pai também pode ser mãe,  pois vai muito além de ser mulher. Digo que meu pai também é minha mãe (e minha mãe também é meu pai). Ser mãe é representar o porto seguro quando sentimos medo de ir tomar água na cozinha a noite. Mas também corresponde a função de nos constranger na frente dos amigos com as histórias que deveriam estar enterradas no passado. A mãe moderna que se preze tem uma conta no Facebook,  posta mensagens no mural dos filhos,  recebe solicitações culinárias das “crianças”, instala a toolbar do Babylon, comenta seus post cheia de orgulho do ser inteligente que ela criou,  pede para você trocar a foto do perfil dela,  provavelmente ela stalkea a sua vida e você não faz ideia. E um dia ela te surpreende e te dá um tapa na cara com a modernidade deixando você sem resposta ao perguntar como funciona o pinterest ou o Evernote  (que eu nem imagina). Mesmo que admire muito a face Cyber Mother da minha,  devo dizer que que a minha é das antigas, modelo clássico. Eu, euzinho, depois de morar por mais de 7 anos fora, hoje me vejo dando satisfação de onde vou? com quem? para que?, e nada mais justo afinal tô na casa deles. Pontualidade inglesa para as refeições, meio dia almoço na mesa, preocupação que eu coma antes de sair de casa pela manhã  (mesmo eu que trabalho em casa). Ela faz crochet, e eu tenho uma blusa feita por ela. Ela faz pudim,  isso é muito mãe. Ela não ficou feliz quando eu fiz tatuagem, e muito menos quando eu falo em fazer mais. A imperatriz aqui de casa é um mito em dizer bordões: Em resposta ao clássico – mãaaaaaaaanhê todo mundo vai – ela dirá que “Você não é todo mundo”. Se ela deixou você ir à festa que todo mundo vai ela também profetizará – leve guarda chuva que vai chover, me liga, não aceite bebida de estranhos e juízo hein? Assim que você sair pela porta e deixar a luz acesa ela vai abrir a janela para te xingar dizendo – eu não sou sócia da light. Ahhhhh chegue bêbado em casa,  não chegue,  brigue ou faça qualquer coisa que esteja fora das normas de conduta da Rainha de Copas, que além de mandar cortar sua cabeça vai dizer que não quer ouvir mais um pio. E se você tiver ainda a ousadia de remendar pelo canto da boca com o risinho contido um “pio”, vai aprender na prática que chinelos podem voar, que um cinto não serve apenas para segurar uma calça e que “quem manda aqui sou eu” (a mãe é claro). Tristemente nem todo mundo tem a mãe presente, e nem toda mãe é presente.  Quando você acha que tem uma mãe,  na verdade você não tem, porque é algo tão bom e tão divino que deve ser coisa de Deus,  e Ele empresta para gente por um tempo de nossas vidas para que possamos provar o que é esse amor tão puro e genuíno, de excede, erra, por não caber em si. Mais que dar um presente, presenteie – se com a cia, não só hoje,  mas por quando estiverem juntos!  Feliz dia das mães! (Um beijo para minha Mother poderosa,  e para a minha Tia Rita)

Ana Flavia Barreto João Vilaça Guimarães Junior

João Vilaça Guimarães Junior

é arquiteto, comentarista stand up no facebook e eu não ousaria não postar o texto dele no dia das mães